Amílcar Falcão

Amílcar Falcão é Licenciado em Ciências Farmacêuticas, Doutorado e Agregado em Farmácia (Especialidade de Farmacologia) pela Universidade de Coimbra. Professor Catedrático, Diretor do Instituto de Investigação Interdisciplinar, funções que acumula com as de Vice-Reitor da Universidade de Coimbra (Investigação). É investigador do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC), onde lidera o Grupo de Farmacometria.

 

Possui uma extensa produtividade científica onde se contam cerca de 400 publicações (artigos, capítulos de livros e resumos em revistas indexadas) e outras tantas comunicações científicas em forma de poster e apresentações orais (várias dezenas por convite), na sua esmagadora maioria internacionais e sujeitas a arbitragem. Foi orientador de tese de 15 alunos de mestrado e 8 de doutoramento, sendo actualmente responsável por 9 teses de doutoramento e 3 de mestrado. É convidado regularmente a desempenhar a função de reviewer, pertencendo igualmente ao corpo editorial de várias revistas científicas. Recebeu já vários prémios nacionais e internacionais que reforçam a visibilidade e qualidade do trabalho que vem desenvolvendo ao longo da sua carreira.

 

Tendo mantido uma forte ligação com a indústria farmacêutica ao longo do seu percurso profissional, destaca-se a sua colaboração com os Laboratórios BIAL (Portugal), participando ativamente e de forma relevante no seu programa de desenvolvimento de novos medicamentos. O seu contributo situa-se tanto ao nível dos ensaios não-clínicos como dos clínicos (bioestatística, faramacocinética e farmacodinamia), tendo estado envolvido em mais de uma centena de estudos no total. Incluem-se no portfolio um conjunto de moléculas com destaque especial para o Acetato de Eslicarbazepina, que constituiu o primeiro medicamento português a ser comercializado (Zebinix®) e, mais recentemente, o Opicapone (novo medicamento para a doença de Parkinson, atualmente em Fase III).

 

É também Director Técnico da empresa ICNAS Produção (empresa detida a 100% pela Universidade de Coimbra), tendo participado ativamente na obtenção do primeiro medicamento radiofarmacêutico desenvolvido e registado em Portugal (Fluodesoxiglucose [18F] UC).